[SÉRIES] Supernatural (12x02) | Review

By 09:00:00


Diferente das temporadas anteriores, Supernatural agora segue com uma vibe atípica. Mesmo que ainda no 2º episódio, já é perceptível que o novo arco propõe uma pegada diferente da qual estamos acostumados, agora com ameaças humanas e não sobrenaturais.

Fomos surpreendidos já no início do episódio, que começou com o que parecia ser uma noite de sexo entre Sam e Toni, o que logo descobrimos que não passava de um feitiço para arrancar respostas do Winchester. Não conseguindo o que queria, a britânica continuou com a tortura que havia começado no episódio anterior, o que ao decorrer do episódio acabou se tornando bem arrastado e cansativo de assistir. Podiam ter resolvido esse plot antes, no próprio 1º episódio ou no início desse. Dean foi em busca do irmão junto de Cas e Mary, e também acabou sendo torturado, mas logo foi salvo pela mãe. Pelo menos toda a enrolação com o plot da tortura serviu para que a Mary mostrasse que apesar de tanto tempo não está nada enferrujada e ainda é a bad ass que conhecemos nos flashbacks das temporadas anteriores.


A representatividade feminina aparece como um dos pontos fortes da temporada, não só através de Mary, como também de Toni. Tenho percebido que Supernatural vem tentando trazer mais essa representatividade, que há muito tempo está em falta na série. Toni e Mary, apesar de lutarem em lados opostos, possuem um mesmo ponto em comum: a volta dessa representatividade tão importante.


Ainda sobre Toni, ela conta no episódio anterior que desde 1985 não se veem mais monstros na Inglaterra, e que está ali para deter os Winchester, que não previnem os ataques sobrenaturais, apenas tratam das consequências, não impedindo que pessoas morram. Além disso ela também fala sobre os suscetíveis deslizes dos irmãos, que ao tentarem consertar um problema que põe em risco o curso da humanidade acabam sempre por causarem outro. Já nesse segundo episódio a série foi mais além e pudemos descobrir um pouco mais, como que Toni não é a líder dos Men Of Letters, mas sim um cara chamado Mitch, que parece estar acima dela na hierarquia britânica. Além de se mostrar mais ponderado que a parceira, ele tenta criar um clima agradável com os Winchester e os convida a se unirem a ele e Lady Bevell. Mesmo com todas essas descobertas e revelações, os Homens das Letras ainda mostram que não são nada bonzinhos e continuam como um grande mistério, o que fica claro ao fim do episódio.

Enquanto isso, Crowley, na tentativa de localizar Lúcifer, acaba recrutando sua mãe para ajudá-lo, agora contra a vontade dela, já que Rowena havia largado a bruxaria e se concentrado em ter uma vida normal. Rowena localiza Lúcifer e chega até a jogar um feitiço nele, mas como nada nunca dá certo pra nossa bruxa, Lúcifer, que agora está com um novo receptáculo, se livra do feitiço e mais uma vez a torna seu joguete. A propósito, achei que o receptáculo combinou bastante com a personalidade do Tio Lu. Nada como o ator original, mas a gente acostuma né?

Ao final tivemos uma cena linda entre a Mary e o Sam. Parando pra pensar, Sam nunca teve realmente uma lembrança da mãe, já que ela morreu quando ele ainda era um bebê. Foi lindo poder vê-lo abraçar a mãe dessa forma pela primeira vez. Além disso, do reencontro com os filhos, também está sendo interessante assistir a adaptação da Mary ao mundo moderno, que após 33 anos mudou bastante, não só com os computadores mas também com o advento da internet, a qual Mary já mostra estar se familiarizando. Essa abordagem rende os alívios cômicos, e assistir a eles está sendo um grande presente.

O episódio terminou com o que parecia ser mais um Man Of Letters arrumando as malas. Confesso que não estou muito empolgado com o plot. Como eu já havia dito na resenha do primeiro episódio, "ameaça humana" como plot da temporada pode se tornar um problema. Apesar de acreditar nisso, não vou me precipitar e julgar a escolha, até porque a série ainda pode surpreender e conduzir o arco de uma boa maneira. Por hora, posso dizer que os Men Of Letters não convenceram, o que entende-se, já que ainda não tiveram muito tempo para mostrar o potencial. Outra surpresa que podemos ter é com Lúcifer, que com seu novo receptáculo, mostra que veio pra ficar, e pode vir a ser o grande vilão da temporada. As teorias são muitas, e a nova temporada parece estar aqui para levantar ainda mais delas.

0 comentários