Riverdale, nós não precisamos de mais uma -A!

By 16:30:00


De uns anos pra cá as séries adolescentes deixaram de abordar apenas os problemas e dilemas da idade e se tornaram mais complexas, passando a introduzir tramas que envolvem mistérios e assassinatos. O clichê adolescente de namoros e rivalidades parece não ser mais o suficiente, e tudo bem até aí, se não fosse por um pequeno fator: a "Síndrome de Pretty Little Liars".

Uma grande leva de séries teens com serial killers e adolescentes bancando os detetives vieram depois de PLL , como Scream, Scream Queens e agora Riverdale. Acontece que PLL desgastou bastante o formato, tanto pela demora em resolver mistérios como pela falta de credibilidade quando os resolvia, sempre subestimando a inteligência da audiência. Isso cansou o público e também deixou as pessoas com um pé atrás quando se trata de produções desse segmento.

Riverdale havia ganhado bastante destaque na sua primeira temporada por trazer uma trama que mesmo com um mistério de "quem matou" colocava os dramas adolescentes como ainda sendo o foco, ou um dos focos: a série começa a partir da morte de Jason Blossom. Quando Jason é dado como morto, muitos questionamentos são levantados e a vida na pacata cidade de Riverdale muda completamente. Ela e seus moradores definitivamente não são mais os mesmos. Cheryl Blossom, irmã gêmea de Jason, é a última pessoa a vê-lo e se torna uma das suspeitas. Ao passo que isso acontece, outros personagens também vivem seus dramas pessoais. Archie tem que lidar com a dúvida entre futebol e música, o relacionamento com a própria professora e com os sentimentos de Betty por ele, sua amiga de infância. É quando Veronica chega na cidade e tudo se complica: Archie se envolve com Veronica ao mesmo tempo que ela se torna amiga de Betty.


A primeira temporada foi bem amarrada e criou todo um universo em volta da cidade e do mistério principal: a gravidez de Polly, a guerra a la Montéquios e Capuletos entre as famílias Cooper e Blossom, o romance de Archie com a professora e a sua dúvida entre o futebol e a música. Na verdade o mistério estava ali e importava, mas não era o grande trunfo, o que prendia o público. Riverdale prendia pela proposta ousada de trazer uma série teen gostosinha como não se via a muito tempo, sem o enfadonho serial killer que todos tentavam descobrir a qualquer custo. Havia um "quem matou", mas era isso e só isso, sem mortes contínuas.

A 2ª Temporada parece ter perdido a mão com o fim do mistério principal (que esse sim fazia sentido e tinha uma utilidade para girar as demais tramas) no que propunha desde o começo. O que nós vemos agora é mais do mesmo: adolescentes bancando a turma do Scooby Doo e tentando descobrir quem está matando os "pecadores" da cidade. Parece até que os produtores realmente acham que o público ainda quer isso. O ideal para Riverdale seria focar nos mistérios e dramas pessoais de cada personagem, com aquele típico clima de série que se passa em cidade do interior. A falta de uma série teen em que os problemas adolescentes sejam apenas os problemas adolescentes é grande, e Riverdale parecia suprir um pouco isso.

A série entrou em hiatus com um suposto Black Hood descoberto, mas como PLL bem nos ensinou, é claro que o Black Hood não é um estranho aleatório sem importância. Ou pode até ser... já que ninguém sabia da existência da irmã da Spencer até o final da série. O fato é que foram 3 "-A's" em PLL, sem contar as esporádicas e as de Scream e Scream Queens. Tanto desgaste assim deveria ter ensinado que nós não precisamos de mais uma -A.

0 comentários