Precisamos falar sobre You e relações tóxicas

By 21:36:00


You tem causado inúmeras discussões desde que foi adicionada ao catálogo da Netflix ao fim do ano passado, dia 26 de dezembro. Apesar de ter estreado em julho no canal Lifetime, só agora, popularizado pela plataforma de streaming, virou pauta nas mesas de bares e rodas de amigos.

You conta a história de Joe, que se apaixona por Beck após conhecê-la na livraria em que trabalha. Depois do encontro Joe fica obcecado pela estudante de mestrado e passa a persegui-la. Não só nas redes sociais, mas também na vida real. Joe a observa do lado de fora da janela de casa, em festas com as amigas e até mesmo encontros com a família. Sem Beck imaginar, Joe também tem acesso à todas as suas mensagens nas redes sociais.

Quem já assistiu Pretty Little Liars vai ter a impressão de mais ou menos como se estivesse tendo acesso à visão da -A, a visão de como o stalker age e se esgueira para vigiar a presa. É surreal a forma como Joe consegue controlar e fazer com que Beck esteja sempre ao seu alcance.

Beck está imersa em uma relação tóxica e nem ao menos suspeita. Não só com Joe, mas também com Peach, sua melhor amiga. Em determinada altura da série, o espectador descobre que Peach também é fissurada em Beck, e que possui uma pasta com fotos e vídeos comprometedores da garota. Peach na verdade é apaixonada por ela, e por ter a sexualidade reprimida pela família, vê na relação com a amiga sua válvula de escape.


Joe passa a tentar eliminar Peach, e também qualquer ameaça — considerada por ele — que apareça entre ele e a amada, como o ex-namorado e o psicólogo. Ele não se importa com a dor de Beck, se importa apenas se a estudante vai continuar com ele. E é isso que acontece quando se está em um relacionamento abusivo, ou tóxico. O outro não se importa em como o parceiro vai se sentir ou reagir a partir de determinadas situações. Ele se importa apenas em garantir que tudo continue sob seu controle.

A série deixa muito claro como aquilo não é um relacionamento saudável, e muito menos uma história de amor. É impossível romantizar o relacionamento deles. Joe justifica todas as suas ações e atos obsessivos como forma de proteção à Beck e ao que eles têm, quando todas as vezes não passa de ciúme obsessivo e puro controle.

Os atos de Joe estão para além de psicopatia. Justificar todas as ações dele com a patologia é ignorar os fatores sociais que envolvem suas motivações e retirar a responsabilidade dele. Joe tem consciência do que faz, e dentro da sua psicodelia doente, o machismo ainda se sobrai e impera sobre suas ações.


Em You, Joe deixa claro diversas vezes como tem consciência da vontade de Beck em ser aceita. Beck faz de tudo para se integrar com as amigas ricas, em agradar ao ex que ainda mantêm contato, ou em outras situações que no fundo ela não gostaria de estar envolvida.

Joe percebe o desejo dela de se sentir especial, e a faz se sentir assim. Dá a ela toda a atenção que Beck acredita merecer, envolvendo-a na sua teia de manipulações. A partir daí ele invade sua privacidade, fica entre ela e suas amigas, e muitas outras situações abusivas. Peach, a amiga de Beck, também tenta controlá-la de todas as formas, forjando um suicídio e usando de outros artíficos, como viagens e dinheiro para controlá-la.

Pessoas com baixa autoestima tendem a sofrerem e estarem mais aptas a se envolverem em relacionamentos abusivos. E isso não quer dizer que é culpa delas. O agressor geralmente se aproveita da insegurança do companheiro para tomar o controle sobre ele. You é um retrato deses relacionamentos abusivos e de como eles se proliferam, tomando conta da vida da vítima sem que ela ao menos perceba. E não, como a série deixa bem claro: a culpa nunca é da vítima.

0 comentários