Muito mais do que lindas

By 19:35:00


Em 1959 ser mulher só podia significar três coisas bem específicas: esposa, mãe e dona do lar. O tempo passa, de fato, e com isso mulheres foram conquistando cada vez mais espaço em áreas que “não eram delas”. É a partir dessas conquistas que o mercado da TV e do cinema se viu obrigado a dar espaço para mulheres fortes e empoderadas na ficção também.

Esse é o caso de Coisa Mais Linda, nova série brasileira da Netflix. Narrada no fim dos anos 1950, a história conta como é a vida de quatro mulheres que se tornam amigas e convivem com as imposições sociais de uma época ainda tão repressora. Ora, em pleno 1959, quem poderia imaginar que Maria Luiza, a Malu, nossa personagem principal, iria tocar um negócio sozinha sem a ajuda do marido que a largou e levou todo seu dinheiro?!

Acredite, Malu tenta e consegue. E é durante essas tentativas que a história de Malu, Adélia, Thereza e Lígia, se embola. Amizades nascem, se fortalecem e se apoiam. Quebra de preconceitos são feitas e, de uma maneira forte e ao mesmo tempo delicada, são abordado assuntos muito pertinentes até hoje: violência contra a mulher, relacionamentos abusivos, aborto, racismo e como a sociedade brasileira não estava nem um pouco disposta a dar valor a mulheres que queriam ser mais do que um belo rostinho que espera o marido voltar de um dia de trabalho carregando um copo de whisky na mão.


A série mostra situações que ainda se repetem a todo o instante com as mulheres. Ter essa representação na ficção pode gerar um bom espaço para debater como a luta por direitos ainda está longe de acabar. E como é importante sim, falarmos sobre isso.

Coisa Mais Linda lembra muito a série As Telefonistas, também disponível no streaming. A grande diferença entre as duas está quando a temática do feminismo é aplicada no contexto social brasileiro, com todos os conflitos políticos que aconteciam na época e todos os paradigmas que impediam certos avanços sociais.

No meio de todos esses conflitos e lutas por espaços merecidos, temos a Bossa Nova. Ela está presente do começo ao fim, tanto na narrativa como na trilha sonora. Embalando cada momento da série, a Bossa é quase a nossa quinta protagonista.

Com figurino, trilha sonora e fotografia dignos da década de 50, Coisa Mais Linda tem tudo para ganhar um 2ª temporada. E cá entre nós, bate um orgulho daqueles ver uma série brasileira tão politizada e preocupada em explicar questões sociais do universo feminino de forma tão caprichosa e didática. "Coisa Mais Linda" retrata mulheres que estão em um processo de empoderamento, que buscam forças para irem atrás dos seus sonhos e que estão conseguindo provar que são muito mais do que apenas coisas lindas.

0 comentários